Home > Saúde > Cachoeirinha tem índice de alerta para infestação por Aedes aegypti

Cachoeirinha tem índice de alerta para infestação por Aedes aegypti

0
Compartilhamentos
Pinterest Google+ WhatsApp

 

Veja presença de criadouros de Aedes aegypti em todos os bairros de SP

Pneu com água parada, um dos tipos de criadouros do Aedes aegypti. Foto: Claudio Fachel/Palácio Piratinil (18/11/2014)

Cachoeirinha e Tremembé, na zona norte, e Ermelino Matarazzo, na zona leste. Esses foram os únicos três distritos da cidade de São Paulo, de um total de 96 áreas, onde agentes de combate a endemias da Secretaria Municipal da Saúde detectaram a presença de larvas do mosquito Aedes aegypti na mais recente inspeção realizada na capital paulista.

De acordo com dados oficiais obtidos pelo Fiquem Sabendo por meio da Lei de Acesso à Informação, em outubro de 2016, apenas o distrito de Cachoeirinha registrou números que preocupam: 2,21 de índice de infestação por Aedes aegypti, considerado de alerta. Em Tremembé e em Ermelino Matarazzo, o índice contabilizado foi de 0,41, percentual abaixo do considerado tolerável pela OMS (Organização Mundial da Saúde).

O levantamento da Secretaria Municipal da Saúde sobre os índices de infestação do mosquito transmissor de doenças como dengue, chicungunha, zika e febre amarela, ocorre três vezes a cada ano: em fevereiro, em julho e em outubro.

A pesquisa de fevereiro, por coincidir com o verão, é o que apresenta, normalmente, os índices mais elevados.

Em fevereiro de 2016, o índice de infestação em toda a cidade era de 0,81. Em outubro, esse indicador recuou para 0,05.

Índices menores que 1 são satisfatórios; de 1 a 3,9 são considerados alerta e acima de 3,9 são de risco, de acordo com a Secretaria Municipal da Saúde.

SP registrou 15.929 casos de dengue em 2016

A cidade de São Paulo fechou o ano de 2016 com 15.929 casos de dengue confirmados. O número representou uma queda expressiva em relação aos 100.431 casos contabilizados em 2015, recorde associado à crise de falta de água na capital paulista, dada a proliferação de larvas do mosquito em locais onde paulistanos estocavam água para encarar os períodos com as torneiras secas.

Em 2014, a cidade tinha registrado 29.011 casos de dengue.

Por que isso é importante?

A Constituição Federal de 1988 prevê, em seu art. 6º, o direito à saúde como um dos direitos sociais.

Já o art. 196, também da Constituição Federal, diz que a saúde “é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas que visem à redução do risco de doença e de outros agravos e ao acesso universal e igualitário às ações e serviços para sua promoção, proteção e recuperação”.

A Lei 8.080/90 (Lei do SUS) prevê, em seu art. 2º, que “a saúde é um direito fundamental do ser humano, devendo o Estado prover as condições indispensáveis ao seu pleno exercício”.

Comentários

comentários

Você também poderá gostar
Trecho da ciclovia da rua João Moura, na região da Vila Madalena, zona oeste de São Paulo. Foto: Léo Arcoverde/Fiquem Sabendo
20 bairros com mais roubos e furtos de bicicletas em São Paulo em 2017
Roubos de bicicletas mais do que dobram em SP em 2 anos; Pinheiros lidera estatística
Roubos de bicicletas dobram em São Paulo em 2 anos; Pinheiros lidera estatística
Governo Alckmin não lê pergunta que se nega a responder via Lei de Acesso à Informação
Governo Alckmin não lê pergunta que se nega a responder via Lei de Acesso à Informação
Governo Pezão diz não ter servidor para responder pedidos via Lei de Acesso à Informação
Governo Pezão diz não ter servidor para responder pedidos feitos via Lei de Acesso à Informação