Home > Educação > Com corte de R$ 26 milhões, Fapesp tem menor repasse desde 2012

Com corte de R$ 26 milhões, Fapesp tem menor repasse desde 2012

Fapesp e CNPq cortam R$ 32 milhões em repasses a bolsistas

O governador Gerado Alckmin participa de cerimônia de posse de José Goldemberg na presidência da Fapesp, no ano passado. Foto: Gilberto Marques/A2img (08/09/2015)

O valor repassado pela Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa Científica do Estado de São Paulo) a bolsistas de mestrado e doutorado registrou queda de R$ 206,2 milhões para R$ 180,4 milhões entre 2014 e 2015. Isso representa uma queda de 12,5% (R$ 25,8 milhões) no período.

É o que aponta levantamento inédito feito pelo Fiquem Sabendo com base em dados da agência de fomento obtidos por meio da Lei Federal nº 12.527/2011 (Lei de Acesso à Informação).

De acordo com as informações disponibilizadas pela Fapesp, em 2015, o gasto da agência com bolsas de mestrado e doutorado registrou o menor valor desde 2012 (veja no infográfico abaixo).

Com corte de R$ 26 milhões, Fapesp tem menor repasse desde 2012

Alckmin criticou agência por pesquisa ‘sem utilidade prática’

Há duas semanas, críticas atribuídas ao governador Geraldo Alckmin (PSDB) sobre o critério adotado pela Fapesp para financiar pesquisas gerou um debate em torno do papel da agência de fomento enquanto entidade de fomento à ciência e tecnologia.

Segundo a coluna Radar On-line, da “Veja”, Alckmin, durante reunião de secretariado, na semana anterior, declarou: “Gastam dinheiro com pesquisas acadêmicas sem nenhuma utilidade prática para a sociedade. Apoiar a pesquisa para a elaboração da vacina contra a dengue, eles não apoiam. O Butantã sem dinheiro para nada. E a Fapesp quer apoiar projetos de sociologia ou projetos acadêmicos sem nenhuma relevância”.

Com a publicação dessa declaração, no último dia 25, o assunto repercutiu amplamente no restante da mídia e levou o Conselho Superior da Fapesp a divulgar uma nota sobre o tema.

Agência de fomento é ligada à Secretaria de Desenvolvimento

Com autonomia garantida por lei, a Fapesp é ligada à Secretaria do Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação do Estado de São Paulo.

A nomeação de seus presidentes é feita pelo governador do Estado por meio de decreto.

Em agosto deste ano, o físico e ex-reitor da USP José Goldemberg assumiu a presidência da agência de fomento após ser nomeado por Geraldo Alckmin.

Goldemberg foi ministro do Meio Ambiente e da Saúde da gestão Fernando Collor de Mello (1990/1992) e secretário de Meio Ambiente de gestões anteriores de Geraldo Alckmin (2002/2006).

Ele substituiu Celso Lafer, que ocupava o cargo desde 2007. Professor emérito da USP, Lafer foi ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio e de Relações Exteriores durante a gestão Fernando Henrique Cardoso.

Por que isso é importante?

O direito à educação é um dos direitos sociais previstos no art. 6º da Constituição Federal de 1988.

Segundo o art. 218 da Constituição Federal, o Estado “promoverá e incentivará o desenvolvimento científico, a pesquisa, a capacitação científica e tecnológica e a inovação”.

O § 1º desse mesmo artigo diz que “a pesquisa científica básica e tecnológica receberá tratamento prioritário do Estado, tendo em vista o bem público e o progresso da ciência, tecnologia e inovação”.

Fapesp diz que queda na receita se deve a arrecadação menor

A Fapesp disse por meio de nota enviada por sua assessoria de imprensa que os desembolsos com bolsas no país registraram em 2015 uma queda de 1% em relação a 2014.

Leia, abaixo, a íntegra da nota que a agência enviou à reportagem:

“O Estado de São Paulo teve queda na arrecadação tributária em torno de 4,7% em 2015 e consequentemente o repasse constitucional de 1% feito à Fapesp teve queda similar. Apesar disso, os desembolsos com bolsas no país (nas modalidades Iniciação Científica, Mestrado, Doutorado, Doutorado Direto e Pós-Doutorado) e com bolsas no exterior (Estágio de Pesquisa nas mesmas modalidades e Bolsa de Pesquisa) totalizaram em 2015 477,7 milhões, apenas 1% inferior ao desembolso com bolsas feito em 2014. Saliente-se que os gastos com bolsas no país e no exterior representaram em 2015 40% do investimento total da Fapesp, proporção semelhante à dos últimos três anos. E embora tenha havido queda no desembolso com as bolsas no país (que receberam R$ 373,1 milhões), o investimento com as bolsas no exterior, em 2015, cresceu 32,8% em relação a 2014, totalizando R$ 104,6 milhões.”

Você também poderá gostar
Lei de Acesso: o salvo-conduto dos jornalistas
Passados 4 anos, Alckmin não cumpre promessa de zerar presos em delegacias
Quatro anos depois, Alckmin não cumpre promessa de zerar presos em delegacias de SP
Governo Alckmin não lê pergunta que se nega a responder via Lei de Acesso à Informação
Governo Alckmin não lê pergunta que se nega a responder via Lei de Acesso à Informação
Roubos de celulares crescem 24% an região de Campinas em um ano
Roubos de celulares crescem 24% na região de Campinas em um ano