Home > Gastos Públicos > Só o fim da indústria da multa bate brancos, nulos e abstenções na eleição em SP

Só o fim da indústria da multa bate brancos, nulos e abstenções na eleição em SP

Com 79% dos votos válidos, indústria da multa terá bancada forte na Câmara Municipal de SP

O prefeito eleito de São Paulo, João Doria (PSDB): “Pode piar, pode reclamar. A decisão está tomada”. Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil (03/10/2016)

A crítica à indústria da multa se saiu muito bem na eleição do último domingo. Somados os votos dos principais candidatos à Prefeitura de São Paulo que prometeram, abertamente, se eleitos, a sua extinção (todos, à exceção de Fernando Haddad), a bandeira abocanhou 79% dos votos válidos. Ela bateria até mesmo a soma de abstenções e brancos ou nulos, que ultrapassou, por pouco, a votação de Doria (3.085.187 votos).

Esse porcentual é a soma dos votos obtidos pelo prefeito eleito, João Doria, e pelos candidatos Celso Russomanno (PRB), Marta Suplicy (PMDB) e Major Olímpio (Solidariedade).

O combate à adoção das multas de trânsito como alternativa à queda da arrecadação (um dos muitos conceitos dos “pais” da tese) também ajudou a eleger alguns dos vereadores mais votados na capital paulista.

Parte dos parlamentares mais votados é conhecida por adotar a crítica à indústria da multa como uma das bandeiras de seus mandatos.

Quarto vereador mais votado com 75.593 votos, Mario Covas Neto (PSDB) é o autor do projeto de lei aprovado pela Câmara Municipal de São Paulo e vetado por Haddad em 2013 que acabava com a multa do rodízio de trânsito para quem cometesse a infração pela primeira vez.

Outro crítico da indústria da multa, o tucano Eduardo Tuma, conhecido por ser autor do projeto de lei que isenta advogados de obedecerem ao rodízio municipal de veículos, foi o quinto parlamentar mais votado, com 70.273.

Abaixo dele, como o sétimo mais votado, aparece o despachante Adilson Amadeu (PTB), o defensor dos taxistas que partiu para cima de um executivo do Uber no plenário da Câmara em abril deste ano. Ele obteve 67.701 votos.

Mas nenhuma vitória da indústria da multa foi mais expressiva do que a eleição do advogado Camilo Cristófaro (PSB). Famoso por protagonizar vídeos postados no Facebook e no YouTube nos quais combate a radares, ciclovias e faixas de ônibus implementadas pela gestão Fernando Haddad, ele obteve 29.603 votos.

Ele desbancou, entre outros, o vereador Abou Anni (PV), autor do pedido de CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) para investigar a indústria da multa. Ele teve 27.334 votos e terá de dar lugar a seu companheiro de coligação.

Pode piar

O prefeito eleito de São Paulo, João Doria, declarou em entrevista à Mônica Bergamo, colunista do jornal Folha de S.Paulo, que não recuará da decisão de revogar a redução das velocidades máximas das marginais Tietê e Pinheiros a partir de janeiro de 2017. De acordo com ele, “a decisão está tomada”. “Pode piar, pode reclamar. A decisão está tomada.”

Você também poderá gostar
Governo Bolsonaro terá de divulgar pensões de servidores inativos; pagamentos chegaram a R$ 490 bilhões em 6 anos
Secretário de Transportes é campeão em multas por atraso
Marinha coloca informações sob sigilo
Marinha é responsável por 96% das informações classificadas como sigilosas
Don’t LAI to me: a primeira newsletter sobre Lei de Acesso à Informação do Brasil

1 Resposta

  1. Eduardo

    “Somados os votos dos principais candidatos à Prefeitura de São Paulo que prometeram, abertamente, se eleitos, a sua extinção (todos, à exceção de Fernando Haddad), a bandeira abocanhou 79% dos votos válidos. ”

    Não dá pra afirmar q esses 79% concordam com a tese da indústria da multa. Pode até ser a maioria, mas 100% desses 79% é simplificar demais.

    Assim como conheço quem tenha votado no Haddad q reclamou ardentemente sobre as multas q tomou.

Deixe uma Resposta