Home > Meio Ambiente > Queixas contra valor da conta de água mais que dobram em SP

Queixas contra valor da conta de água mais que dobram em SP

Queixas contra valor da conta de água mais que dobram em SP

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, participa de entrevista coletiva no Palácio dos Bandeirantes, no Morumbi, zona sul de São Paulo. Foto: Du Amorim/A2img (04/12/2015)

O número de reclamações feitas à Sabesp (Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo) contra o valor da conta de água cobrada de seus clientes mais do que dobrou desde que a empresa começou a multar quem aumentou o consumo durante a crise hídrica, em fevereiro deste ano.

É o que aponta levantamento inédito feito pelo Fiquem Sabendo com base em dados da Sabesp obtidos por meio da Lei Federal nº 12.527/2011 (Lei de Acesso à Informação).

De acordo com as informações disponibilizadas pela empresa controlada pelo governo Geraldo Alckmin (PSDB), no comparativo entre os período de julho de 2014 a fevereiro de 2015 (início da cobrança da sobretaxa) e de março a outubro deste ano, o número de reclamações saltou de 30.931 e 64.493 (veja no infográfico abaixo).

Reclamações contra valor da conta de água mais que dobram em SP

Esse comparativo (entre dois períodos de oito meses) aponta um aumento de 108% (33.562 casos a mais) na quantidade de queixas recebidas pela estatal.

Reclamações mais que dobraram um mês após a cobrança da multa

Em março, segundo mês em que a multa foi discriminada pela Sabesp nos boletos enviados aos seus clientes, houve uma explosão no número de reclamações. Foram feitas 8.837 queixas.

Esse número representa um aumento de 113% em relação às 4.113 queixas feitas à Sabesp em março de 2014.

A sobretaxa entrou em vigor em janeiro deste ano, mas só começou a ser cobrada em fevereiro. Ela valerá até o fim deste ano.

Quem consome 20% mais água do que a média mensal anterior à crise de falta de água (fevereiro de 2013 a janeiro de 2014) é multado em 40% do valor da conta. Consumos acima desse limite preveem uma tarifa adicional de 100%.

Desde implantação de sobretaxa, 60.905 contas de água já foram revistas pela Sabesp

Entre fevereiro e setembro, 60.905 contas de água e agosto tiveram os valores revistos pela Sabesp após a empresa receber queixas de seus clientes quanto à tarifa cobrada.

Em fevereiro, a Sabesp revisou 4.821 contas; entre março e setembro, esse número variou de 7.059 (setembro) a 8.939 (março).

Entidade cobra clareza do governo em relação à multa

Na avaliação de Maria Inês Dolci, coordenadora institucional da ONG Proteste, especializada em defesa do consumidor, o governo do Estado deve agir com transparência em relação à manutenção da cobrança da sobretaxa em 2016.

“Uma possível reedição da medida deve ser precedida de informação ao consumidor, sobre os motivos da extensão do prazo, valores e exceções a serem adotadas”, afirma Maria Inês.

A Proteste envio ofícios ao governador Geraldo Alckmin, à Arsesp (Agência Reguladora do Saneamento e Energia do Estado de SP) e à Sabesp questionando sobre os prazos em que a multa continuará a ser cobrada.

Por que isso é importante?

Lei nº 9.433/97 (Política Nacional de Recursos Hídricos) prevê que a água “é um bem de domínio público” e que um dos objetivos dessa política é “assegurar à atual e às futuras gerações a necessária disponibilidade de água, em padrões de qualidade adequados aos respectivos usos”.

Essa mesma lei federal determina ainda que “a gestão dos recursos hídricos deve ser descentralizada e contar com a participação do Poder Público, dos usuários e das comunidades”.

Em julho de 2010, a Assembleia-Geral da ONU (Organização das Nações Unidas) reconheceu o acesso a uma água de qualidade e a instalações sanitárias adequadas como um direito humano.

Todas as reclamações são analisadas, afirma Sabesp

A Sabesp disse por meio de nota enviada por sua assessoria de imprensa que revisa as contas de água sempre as solicitações são justificadas e que as reclamações contra o valor da tarifa se dão por vários motivos, e não só em relação à multa. Leia a íntegra do comunicado enviado à reportagem:

A Sabesp informa que todas as manifestações dos clientes a respeito de suas contas são analisadas e, sempre que a solicitação é justificada, as contas são revistas. Os motivos destas solicitações são variados: vazamentos internos, aumento de consumo, tarifa de contingência, dentre outros. É importante ressaltar que a tarifa de contingência foi adotada como medida de complemento ao programa de bônus implantado em fevereiro/14. Sem fins arrecadatórios, a tarifa destina-se à parcela da população que não aderiu à redução do consumo.

Você também poderá gostar
Marinha coloca informações sob sigilo
Marinha é responsável por 96% das informações classificadas como sigilosas
Don’t LAI to me: a primeira newsletter sobre Lei de Acesso à Informação do Brasil
CARTA ABERTA: Estados e municípios devem aceitar pedidos de informação anônimos
CPP superlotado: 10 mil vagas faltando em São Paulo