Home > Meio Ambiente > Sabesp finge não saber o quanto lança de esgoto não tratado nos nossos rios

Sabesp finge não saber o quanto lança de esgoto não tratado nos nossos rios

Sabesp finge não saber o quanto lança de esgoto não tratado nos nossos rios

Trecho poluído do rio Tietê, em Pirapora do Bom Jesus, na Grande São Paulo. Foto: Rafael Pacheco/Fotos Públicas (22/06/2015)

“Em atendimento ao seu pedido, informamos que a Sabesp não mede o esgoto que não é encaminhado para tratamento.” Essa foi a resposta da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo, do governo Geraldo Alckmin (PSDB), à pergunta feita pelo Fiquem Sabendo via Lei de Acesso à Informação acerca do volume de esgoto não tratado que é despejado pela estatal nos cursos hídricos (rios, córregos etc) da Grande São Paulo.

Uma infeliz coincidência: a resposta, nada além dessa frase, foi enviada pela companhia em pleno Dia Mundial da Água, comemorado anualmente no dia 22 de março.

A Sabesp levou 26 dias para elaborar tal resposta (mais de um dia para cada palavra). No dia 24 de fevereiro, a reportagem lhe enviara o seguinte questionamento:

Por ano, entre 2006 e 2016, quanto (em litros) a Sabesp despejou em esgoto não tratado nos rios das cidades da região metropolitana de SP onde a estatal opera?

Acreditar nessa informação significa aceitar que uma estatal do porte da Sabesp, cheia de engenheiros em sua cúpula, é incapaz de fazer a seguinte conta: a quantidade de esgoto coletado menos o volume de esgoto tratado por ela. Subtrair, uma das quatro operações matemáticas que se ensinam na escola.

Evidente que a resposta não é condizente com o que determina a Lei de Acesso à Informação. A Sabesp tem essa informação. É que transparência nunca foi o forte da estatal. Só para relembrarmos: a Sabesp levou nove meses (de outubro de 2014 a julho de 2015) para abrir seus dados de reclamações por falta de água na Grande São Paulo depois de ser forçada a fazer isso diante de um pedido também feito pelo Fiquem Sabendo com base na Lei de Acesso à Informação.

Naquele período, entre a eleição vencida por Alckmin, que controla a estatal, e a revelação desses dados, a Sabesp se utilizava de uma espécie de mantra: só falta água em imóveis sem caixa d’água, dada a redução de pressão da rede de distribuição de água, que, por sua vez, era necessária para poupar as perdas nos vazamentos de suas tubulações. Claro, não?

Há dois anos, quando a Grande São Paulo era castigada pela crise de falta de água, a Sabesp disponibilizava basicamente duas informações ao cidadão em sua página na internet: 1) o nível de seus reservatórios e 2) uma lista dos locais onde se operavam as manobras de redução de pressão responsáveis pela “economia fabulosa” de seu diretor, Paulo Massato, o homem que fechava as torneiras dos paulistanos.

Passados dois anos, a economia fabulosa já se converteu em um desperdício com percentual superior ao registrado antes da crise hídrica. Em matéria de transparência, a Sabesp não deu nem um passo adiante. Em seu site, vê-se exatamente aquilo que era disponibilizado em 2015.

Mas, voltando ao presente pedido, acerca do estogo que é despejado pela Sabesp sem tratamento: o Fiquem Sabendo tem tanta certeza de que os técnicos da Sabesp dominam as quatro operações, que interpôs recurso a fim de que ela mude de ideia, reveja mais uma vez sua conduta com relação à sua falta de transparência, e dê números ao um quadro assombroso responsável, entre outros problemas, pela poluição dos rios que cortam a capital paulista, como o Tietê e o Pinheiros.

Até lá, o Fiquem Sabendo ficará com o dado revelado pelo biólogo e presidente do IDS (Instituto Democracia e Sustentabilidade), João Paulo Capobianco, que, em artigo publicado no último dia 23 no jornal O Estado de S.Paulo, afirmou que a Sabesp despeja “mais de 300 milhões de litros de esgoto diariamente nos cursos hídricos da cidade de São Paulo”.

Comentários

comentários

Você também poderá gostar
Veja como conseguir dados do governo anonimamente
CPP superlotado: 10 mil vagas faltando em São Paulo
Lei de Acesso: o salvo-conduto dos jornalistas
Luta mulheres negras contra racismo
Injúria racial: 1 boletim de ocorrência a cada 6h em SP