Home > Meio Ambiente > São Paulo teve 460 quedas de árvores em maio

São Paulo teve 460 quedas de árvores em maio

São Paulo teve 460 quedas de árvores em maio

Árvore cai na região central de São Paulo; em maio, 460 ocorrências dessa natureza foram registradas na cidade de São Paulo. Foto: Paulo Pinto/Fotos Públicas (16/05/2016)

Com uma morte registrada no largo da Concórdia, no Brás (região central), maio de 2016 se sobressaiu em matéria de quedas de árvores na cidade de São Paulo. Foram 460 ocorrências (693% a mais do que as 58 contabilizadas no mesmo período de 2015).

Em 2013 (primeiro ano de contabilização da administração municipal), maio registrou 57 quedas de árvores; no ano seguinte, foram 89.

É o que aponta levantamento inédito feito pelo Fiquem Sabendo com base em dados da Secretaria Municipal de Coordenação das Subprefeituras obtidos por meio da Lei Federal nº 12.527/2011 (Lei de Acesso à Informação).

De acordo com as informações disponibilizadas pela gestão do prefeito Fernando Haddad (PT), de janeiro para cá, a capital paulista registrou 1.466 casos de queda de árvore (veja o detalhamento desses dados no infográfico abaixo).

São Paulo teve 460 quedas de árvores em maio

No acumulado de janeiro a maio, este ano registrou uma queda de 12% na comparação com o número de quedas de árvores registrado no mesmo período de 2015 (1.675).

Sé registrou 101 ocorrências; Lapa contabilizou 73 casos

Líder da estatística, a Subprefeitura da Sé, que abrange bairros arborizados, como Higienópolis, registrou 101 quedas de árvores no mês passado.

A segunda colocação ficou com a Subprefeitura da Lapa, na zona oeste, com 73 casos.

A Subprefeitura da Mooca, que abrange o largo da Concórdia, onde uma mulher morreu atingida por uma árvore que caiu em meio a um temporal, registrou 24 quedas de árvores.

Por que isso é importante?

A Constituição Federal de 1988 prevê, em seu artigo 225, que “todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e à coletividade o dever de defendê-lo e preservá-lo para as presentes e futuras gerações”.

As árvores urbanas desempenham funções importantes para os cidadãos e o meio ambiente, tais como a elevação da permeabilidade do solo (e a diminuição dos riscos de enchentes) e o controle da temperatura e da qualidade do ar. Até mesmo a melhoria da paisagem urbana decorrente das áreas verdes é um fator que aumenta a qualidade de vida da população, segundo especialistas.

Poda, remoção e plantio têm sido intensificados, afirma prefeitura

A Secom (Secretaria Executiva de Comunicação) da Prefeitura de São Paulo disse por meio de nota que o manejo arbóreo, que abrange os serviços de poda, remoção e plantio de árvores na cidade, tem sido intensificado e aprimorado desde 2013.

Leia, abaixo, a íntegra da nota que a pasta encaminhou à reportagem:

“A Prefeitura de São Paulo informa que o manejo arbóreo tem sido intensificado e aprimorado desde 2013, conduzido principalmente pelas secretarias do Verde e do Meio Ambiente, responsável pela distribuição de mudas e programas de compensação ambiental, e Coordenação de Subprefeituras, que lidera as equipes de poda, remoção e replantio. O Plano Intenso de Manejo Arbóreo (PIMA) é mais uma ação nesse sentido, criado no contexto da Operação Chuvas de Verão e com atuação reforçada em oito subprefeituras onde o problema de queda de árvores é mais sensível.

Sobre as ações para prevenir quedas, realizar podas, remover e fazer o plantio de árvores na cidade, a Prefeitura esclarece:

  1. As prioridades do manejo arbóreo são reduzir riscos de acidentes graves provocados por queda de árvores e promover a arborização urbana como forma de oferecer um ambiente mais equilibrado e sustentável.
  1. O tipo de manejo para cada caso é determinado por orientação da equipe de engenheiros florestais que atuam nas subprefeituras. A razão para remoção de espécies é risco eminente de queda.  Importante ressaltar que o tratamento de espécies doentes pelo poder municipal é limitado, já que o uso de defensivos químicos em ambientes urbanos é proibido pelo IBAMA e pela ANVISA, conforme Decreto nº 4.704/2002.
  1. Segundo dados da Secretaria de Coordenação das Subprefeituras, 119.747 árvores foram podadas e 17.712 removidas em 2015. No mesmo ano, 11.941 árvores foram plantadas. Em 2016 foram realizadas, até o mês de abril, 31.760 podas de árvores, 5.601 remoções, e 3.339 novas espécies foram plantadas.
  1. Além da atuação das subprefeituras, o plantio de árvores na cidade também é reforçado por meio de Termos de Compromisso Ambiental (TCA) e Termos de Ajuste de Conduta (TAC), que no ano passado somaram, respectivamente, 15.248 mudas e 13.727 mudas.
  1. De acordo com a Secretaria do Verde e do Meio Ambiente, 38.935 mudas foram doadas em 2015 para subprefeituras e outras secretarias, como Educação e Saúde. A distribuição municipal de mudas ainda conta com estoques de 211.871 mudas no Viveiro Harry Blossfeld e 17.193 mudas no Viveiro Manequinho Lopes.”
Você também poderá gostar
Marinha coloca informações sob sigilo
Marinha é responsável por 96% das informações classificadas como sigilosas
Don’t LAI to me: a primeira newsletter sobre Lei de Acesso à Informação do Brasil
CARTA ABERTA: Estados e municípios devem aceitar pedidos de informação anônimos
CPP superlotado: 10 mil vagas faltando em São Paulo