Home > Mobilidade Urbana > Pior linha de ônibus de São Paulo se mantém líder de reclamações

Pior linha de ônibus de São Paulo se mantém líder de reclamações

Pior linha de ônibus de São Paulo se mantém líder de reclamações

Ônibus da linha 974J/10 (Metrô Conceição/Terminal Vila Carrão), em ponto inicial de seu itinerário, na zona sul de São Paulo. Foto: Léo Arcoverde/Fiquem Sabendo

Alvo de 33 reclamações feitas por passageiros entre julho e agosto deste ano, a linha 574J/10 (Metrô Conceição/Terminal Vila Carrão) manteve-se no posto de líder de queixas entre os usuários de ônibus municipais na cidade de São Paulo.

Se liderou com folga o ranking no primeiro semestre deste ano (com 75 queixas contra 54 da segunda colocada), agora, ela divide o posto com a linha 2290/10 (Terminal São Mateus/Terminal Parque Dom Pedro 2º).

Dia sim, dia não uma queixa é feita contra o serviço realizado por alguma dessas linhas.

É o que aponta levantamento feito pelo Fiquem Sabendo com base em dados da SPTrans (empresa municipal de transporte) obtidos por meio da Lei Federal nº 12.527/2011 (Lei de Acesso à Informação).

Uma linha da zona norte, a 9032/10 (Jardim Damasceno/Terminal Vila Nova Cachoeirinha), aparece na terceira colocação do ranking das dez linhas com maiores quantidades de reclamações registradas entre julho e agosto. (Veja o detalhamento desses dados no infográfico abaixo.)

Pior linha de ônibus de São Paulo se mantém líder de reclamações

5 linhas de ônibus entram pela primeira vez em ranking

Dentre as alterações no ranking das dez linhas com mais reclamações na capital, chama a atenção o fato de que cinco delas não figuravam entre as mais mal avaliadas pelos passageiros durante o primeiro semestre deste ano.

Duas delas _a 516N/10 (Jardim Miriam/Praça Dom Gastão) e a 6913/10 (Terminal Varginha/Terminal Bandeira)_ foram a quarta e quinta linhas com mais reclamações, respectivamente, no segundo semestre.

Quarta colocada no ranking do primeiro mestre, com 48 reclamações, a linha 702C/10 (Jardim Bonfiglioli/Metrô Belém) foi uma das cinco linhas que saíram do ranking na contabilização de queixas feitas entre julho e agosto.

Metade das piores linhas circulam na zona leste da cidade

Cinco das dez linhas com mais reclamações no segundo trimestre passam por bairros da zona leste da capital paulista, segundo a SPTrans.

Oito dessas linhas passam por estações de metrô. Outra característica delas é o fato de percorrerem itinerários longos, que incluem avenidas frequentemente congestionadas durante os horários de pico.

Por que isso é importante?

A Lei Federal nº 12.587/2012, que instituiu as diretrizes da Política Nacional de Mobilidade Urbana, define, no seu art. 5º, inciso IV, como um dos princípios do transporte público “a eficiência, a eficácia e a efetividade” de quem presta esse serviço.

Essa mesma lei prevê, no seu art. 14, inciso I, que é direito do usuário do Sistema Nacional de Mobilidade Urbana “receber o serviço adequado”.

De acordo com essa lei, o Sistema Nacional de Mobilidade Urbana “é o conjunto organizado e coordenado dos modos de transporte, de serviços e de infraestruturas que garante os deslocamentos de pessoas e cargas no território do Município”. Isso inclui, por exemplo, os ônibus que circulam na capital paulista.

Número de reclamações tem caído, afirma SPTrans

A SPTrans disse por meio de nota enviada por sua assessoria de imprensa que está desenvolvendo ações junto às concessionárias e permissionárias do sistema desde 2013 para oferecer melhor qualidade aos serviços prestados priorizando eficiência, rapidez, conforto e segurança aos usuários do transporte coletivo.

De acordo com a empresa, durante o ano de 2013, foram registradas 15% a menos de reclamações em relação a 2012. Em 2014, houve uma queda de 43,8%, nesse indicador, na comparação com o ano anterior.

Segundo a SPTrans, “as reclamações passam pelo programa de Gestão Operacional pela Qualidade (GOpQ)”. “Trata-se de um processo de medição de desempenho que recorre às reclamações registradas pelos usuários como ferramenta para identificar formas de melhorar o serviço prestado na cidade de São Paulo em cada uma das linhas do sistema.”

Com relação à linha 574J/10 (Metrô Conceição/Terminal Vila Carrão), a empresa disse que ela opera nos dias úteis com 8 veículos comuns e 19 articulados, todos com acesso a pessoas com deficiência ou baixa mobilidade física. “Ela vem apresentando queda no número de reclamações a cada mês. Entre janeiro e setembro de 2014, foram registradas 206 reclamações, enquanto em 2015, no mesmo período, foram 176 queixas.”

São realizadas reuniões e ações conjuntas com os representantes das empresas operadoras buscando o envolvimento da alta administração e do corpo gerencial nas questões relativas à Gestão Operacional pela Qualidade. Nessas ocasiões determina-se a correção imediata de qualquer falha ou ineficiência no cumprimento dos serviços prestados.

Você também poderá gostar
Marinha coloca informações sob sigilo
Marinha é responsável por 96% das informações classificadas como sigilosas
Don’t LAI to me: a primeira newsletter sobre Lei de Acesso à Informação do Brasil
CARTA ABERTA: Estados e municípios devem aceitar pedidos de informação anônimos
CPP superlotado: 10 mil vagas faltando em São Paulo