Home > Segurança > Invasões a residências no Morumbi crescem entre janeiro e abril de 2015

Invasões a residências no Morumbi crescem entre janeiro e abril de 2015

Furtos sobem de 62 para 100 casos no bairro em 2015

O presidente do Conseg (Conselho Comunitário de Segurança) do Portal do Morumbi, Celso Cavallini, em rua do bairro; para ele, integração entre os moradores pode ajudar a inibir a ação dos ladrões na região. Foto: Léo Arcoverde/Fiquem Sabendo

O número de casos de furto a residência no Morumbi, bairro nobre da zona sul de São Paulo, saltou de 62 para 100 entre janeiro e abril de 2014 e o primeiro quadrimestre de 2015. Isso representa um aumento de 68% na incidência desse crime na região em um ano (em toda a cidade, os furtos em geral caíram 9,9% na comparação entre os dois períodos).

É o que aponta levantamento feito pelo Fiquem Sabendo com base em dados do DAP (Departamento de Administração e Planejamento) da Polícia Civil do Estado de São Paulo obtidos por meio da Lei nº 12.527/2011 (Lei de Acesso à Informação).

Invasões a residências no Morumbi crescem em 2015

Roubos a casas caem na região

As ocorrências de assaltos a residências (nas quais as vítimas são agredidas ou submetidas a grave ameaça pelos suspeitos) caíram 43,4% no Morumbi entre os primeiros quadrimestres de 2014 e 2015.

Segundo os dados da Polícia Civil, os registros de boletins de ocorrência dessa natureza feitos pelo 34º DP e 89º DP apresentaram uma queda de 69 para 39 casos (veja no infográfico abaixo).

Invasões a residências crescem no Morumbi

 

A exemplo dos furtos a casas, o 34º DP responde pela maioria desses registros.

Somados os casos de furtos e roubos a residências registrados pelas duas delegacias do bairro, houve um aumento de 131 para 139 ocorrências na comparação entre os dois quadrimestres (alta de 6,1%).

Encastelados e amedrontados

O perfil da maioria das vítimas de furto e roubo de residência do Morumbi é um dos fatores que fazem com que essa região nobre da cidade seja alvo das quadrilhas especializadas nesses crimes. Essa é a avaliação do presidente do Conseg (Conselho Comunitário de Segurança) do Portal do Morumbi, Celso Cavallini.

“Muitos moradores daqui do bairro sequer conhecem os seus vizinhos. Quando viajam, e deixam a casa vazia por vários dias, não avisam ninguém. Até depois de serem vítimas de furto ou roubo dentro de casa, não tomam a iniciativa de participar das reuniões do Conseg”, explica Cavallini.

O Morumbi também é conhecido por ser o bairro onde moram pessoas famosas, como o apresentador e dono do SBT, Silvio Santos. A mansão em que ele mora foi invadida por ladrões em 2010.

Na avaliação de Cavallini, as vítimas desses crimes _sobretudo aquelas de maior poder aquisitivo_ vivem amedrontados dentro de suas casas. “É o mundinho de cada um.”

O presidente do Conseg Portal do Morumbi reconhece a existência de outros problemas, como o número insuficiente de policiais no bairro e o amadorismo do serviço de vigilância de rua contratado pelos moradores.

Invasões a residências crescem no Morumbi

Sede da companhia da Polícia Militar responsável pelo policiamento na região do Portal do Morumbi. Foto: Léo Arcoverde/Fiquem Sabendo

Por que isso é importante?

A Constituição Federal de 1988 prevê, em seu art. 144, que a segurança pública corresponde a um “dever do Estado” e um “direito e responsabilidade de todos” e que ela é exercida “para a preservação da ordem pública e da incolumidade das pessoas e do patrimônio”.

O Código Penal (Decreto-Lei nº 2.848/1940) prevê, em seu art. 155, uma pena de reclusão de dois a quatro anos e multa para quem comete o crime de furto. Se o crime é cometido por duas ou mais pessoas (situação comum aos casos de invasão a residência) ou mediante escalada, a pena cominada é mais alta: reclusão de dois a oito anos e multa.

Já em seu art. 157, o Código Penal prevê para o roubo uma pena de reclusão de quatro a dez anos e multa. Ela é aumentada de um terço em situações como o concurso de dois ou mais suspeitos ou emprego de arma de fogo.

Secretaria não se manifesta

A assessoria de imprensa da Secretaria Estadual da Segurança Pública não se manifestou sobre as invasões a residências no Morumbi.

O Fiquem Sabendo enviou as seguintes perguntas ao órgão:

  1. A que a Secretaria Estadual da Segurança Pública atribui o fato de os furtos a residências terem crescido no Morumbi no primeiro quadrimestre deste ano?
  2. A que a Secretaria Estadual da Segurança Pública atribui o fato de as invasões a casas do Morumbi ter crescido no primeiro quadrimestre deste ano?
  3. O que a Secretaria Estadual da Segurança Pública tem feito, por meio das polícias estaduais, nos últimos meses, para conter a ação de quadrilhas de ladrões de casas do Morumbi?
Você também poderá gostar
CPP superlotado: 10 mil vagas faltando em São Paulo
Lei de Acesso: o salvo-conduto dos jornalistas
Aeronáutica tem 1 munição desviada a cada 12 horas; Exército não faz as contas
Marinha não sabe onde estão 19 fuzis desviados de seus quartéis